O impacto da utilização da máscara na relação terapêutica

 

A pandemia COVID-19 afetou a vida das pessoas em todo o mundo, em diferentes setores e contextos sociais, caracterizando-se por ser uma síndrome de complicações respiratórias agudas severas, cujo agente etiológico já foi identificado – SARS-CoV-2, mas para o qual ainda não existe tratamento ou cura específica até ao momento (World Health Organization [WHO], 2020).

Portugal tem tomado várias medidas, observáveis não só pela mudança e alternância entre períodos de maior e menor confinamento, bem como pelos diferentes de planos de contingência que as instituições têm assumido na intervenção direta com as pessoas com necessidades de apoios, como os idosos e/ou outros subgrupos mais vulneráveis, como as crianças com perturbações de desenvolvimento.

A utilização da máscara, se por um lado parece deter um impacto positivo na prevenção da disseminação do coronavírus (Wu e Googan, 2020), na minimização de medidas mais severas e na descontração de estar perto dos outros (Mniszewski et al., 2014), o facto de cobrir 60-70% da cara, cuja região é essencial para a expressão emocional (Carbon, 2020), tende a impactar a interação social e a qualidade das intervenções (de Psicomotricidade, de Terapia da Fala e de Psicologia) baseadas numa modalidade de incidência corporal e que implicam proximidade física e expressiva.

No âmbito das atividades de estágio do Mestrado em Reabilitação Psicomotora, da Faculdade de Motricidade Humana, a estagiária em Psicomotricidade Carolina Ventura encontra-se a desenvolver um projeto de investigação na MR-Terapias intitulado “O impacto da utilização da máscara na relação terapêutica”, com o objetivo de identificar e analisar os efeitos decorrentes da utilização da máscara ao nível da comunicação e da relação entre terapeuta e cliente, na área da Psicomotricidade, Terapia da Fala e Psicologia, procurando pistas de sucesso para as práticas futuras, seja em situação, ou não, de pandemia.

Foram aplicados questionários a terapeutas e clientes da MR-Terapias, ao longo dos meses de fevereiro, março e abril de 2021, tendo sido os resultados provisórios apresentados pela estagiária Carolina Ventura no I Congresso Internacional de Psicomotricidade da Faculdade de Motricidade Humana, que decorreu nos dias 7, 8 e 9 de maio, e que contou com a presença da Psicomotricista Ana Catarina Calado e da Diretora Clínica Margarida Riscado.

O projeto encontra-se em fase de análise dos resultados e de elaboração do respetivo artigo científico, previsto de ser publicado posteriormente na revista “A Psicomotricidade”, afeta à Associação Portuguesa de Psicomotricidade.

Dra. Ana Calado – Psicomotricista

Dra. Carolina Ventura – Psicomotricista

0 Comments