Conheça melhor as nossas oradoras

 

Ciclo de Webinares

Veja mais informação sobre cada orador e os seus temas!

27 de Abril – Recusa e seletividade alimentar: a terapia da fala pode ajudar!

   Dra. Joana Carvalho

Terapeuta da Fala desde 2011, pela Escola Superior de Saúde da Universidade de Aveiro, Mestre em Ciências da Fala e da Audição. Exerce a sua prática profissional em escolas, infantários e em gabinete, na região de Coimbra. Desenvolve o projeto “Joana a Terapeuta”, com divulgação em diversos canais e redes sociais, voltado para várias dinâmicas e tendo como públicos-alvo profissionais e famílias.

Dinamiza o Blog “Joana a Terapeuta… e a Mãe”. Autora do livro “Intervenção Colaborativa da Terapia da Fala na Ortodontia” e de diversos jogos didáticos infantis, em parceria com a marca portuguesa “Europrice”.

Recusa e seletividade alimentar: a terapia da fala pode ajudar!

Cada vez mais nos chegam ao contexto clínico casos de crianças e jovens que recusam vários alimentos, ingerindo muitas das vezes, um leque restrito destes, com base nas suas diferentes consistências, cores e/ou outras caraterísticas específicas. Relatos de famílias, professores e educadores são também cada vez mais frequentes, ouvindo-se cada vez mais pedidos de ajuda especializada.

Atualmente, sabe-se que diversas podem ser as causas que explicam este comportamento e as soluções começam a surgir! A abordagem terapêutica da Terapia da Fala, sempre com envolvência num trabalho transdisciplinar, pode fazer a diferença na gestão e resolução destes casos, seja por meio da articulação com colegas da área da terapia ocupacional, da psicologia, da gastropediatria, da nutrição, entre outros.

Convidamo-vos a conhecer mais sobre o tema, num workshop informativo e dinâmico, onde todos são convidados a participar ativamente, com questões e com a partilha de dúvidas e experiências. Como chegar a um profissional para que possam ser cedidas as primeiras dicas e estratégias de intervenção? Como se realiza a dinâmica nas sessões e de que forma este trabalho pode ser continuado em casa e em contexto educativo? Daremos todas as respostas e estaremos ao vosso lado! Venham connosco!

04 de Maio – Quando a hora de comer é um desafio!

   Dra. Ana Catarina Saraiva Mendes 

Licenciada em Terapia Ocupacional, natural da Covilhã.

Trabalha com jovens/adultos com deficiência intelectual num CAO. Trabalha também com crianças em contexto clínico, onde intervém ao nível dos problemas de alimentação.

Encontra-se a frequentar a Pós-graduação em Integração Sensorial.

 

Quando a hora de comer é um desafio!

Infelizmente, chegam até nós, muitas vezes, famílias com crianças que comem muito pouco e/ou comem quase sempre os mesmos alimentos. Relatos destes são bastante frequentes e os pais sentem-se desesperados quando os seus filhos não querem comer ou tornam-se tão seletivos que é quase impossível alimentá-los de forma saudável sem criar situações de stress quer para a criança quer para a família.

A alimentação é uma questão complexa, por isso não podemos justificar os problemas de alimentação com base num fator. Assim proponho um momento para partilha de alguns conceitos importantes para perceberem melhor o que está na base da alimentação, da seletividade alimentar, que sistemas sensoriais existem e de que forma podem estar envolvidos na alimentação, que dificuldades podem advir de alterações em algum sistema sensorial e que estratégias podem os pais usar para tornar este momento menos stressante.

11 de Maio – Alimentação, Relação e Afetos

 Dra. Patrícia Galvão

Habilitações Académicas e Formação Profissional

  • Licenciada em Relações Públicas e Publicidade (Pré-Bolonha)
  • Mestre em Psicologia Clínica pelo ISPA, Instituto Universitário de Psicologia Aplicada
  • Formação para intervenção (Intervenção em Famílias) – Projecto Vida – Movimento de Defesa da Vida
  • Formadora Certificada – prevenção e promoção da saúde mental da criança e do adolescente, junto de pais, educadores e professores e outros técnicos na área da saúde e afins
  • Facilitadora de Constelações Familiares
  • Formanda na Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar

Experiência de trabalho em contexto de equipas de saúde mental (Unidade da Primeira Infância – Área de Pedopsiquiatria do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE – Hospital D. Estefânia e Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, EPE – Hospital S. Francisco Xavier – Equipa Comunitária de Saúde Mental).

Áreas de Interesse e Intervenção: Crianças, Jovens, Adultos e Famílias; Psicologia da Gravidez e da Parentalidade e Primeira Infância (Diagnóstico e Intervenção Precoce); Crianças e Jovens em situação de risco; Psicopatologia no adulto; Intervenção em Grupos (Grupos de Pais e de Jovens, Grupos de educadores/professores); Aconselhamento Parental; Conversas com Pais; Desenvolvimento de Programas de Prevenção e Intervenção na áreas da saúde mental e psicopedagogia.

Desenvolvimento pessoal em áreas ligadas às artes e à música (dança, teatro, desenho, canto).

Alimentação, Relação e Afetos

O ato de alimentar é antes de mais um gesto de afeto e possibilita a construção de uma relação privilegiada com o bebé. Mas o gesto de alimentar ou a temática da alimentação não pode ser olhada de modo simplificado. Quando me chega à consulta uma família com queixas relativas à alimentação do bebé ou da criança, ou mesmo do adolescente, é altura de compreender e conhecer a história da família, perceber como tudo começou.

O momento da alimentação reflete a dinâmica da família e o valor que lhe é atribuído. Importa compreender o que significa alimentar para o pai e a mãe, qual a sua história, como era quando eram pequenos. A correria dos tempos modernos, os diferentes estímulos a que somos convidados a responder tendem a afastar-nos da experiência social que é estar em conjunto, numa mesa, à volta da comida.

Olhar para um bebé ou criança enquanto se alimenta é aceder à história da família, à relação entre os seus elementos e à troca de afetos entre todos e cada um em particular.

São frequentes as problemáticas em volta da alimentação do bebé, da criança e do adolescente. Grande parte são entendidas à luz do padrão de relacionamentos, dos afetos entre o sistema familiar e do seu modelo de comunicação.

Para entender verdadeiramente o que pode não estar a correr bem é preciso voltar atrás. Vamos fazer essa viagem em conjunto e olhar para tudo o que importa privilegiar desde o nascimento do bebé.

Tabela de preços

Preço por sessão: 7,50 €

Preço das 3 sessões: 20,00 €