Conheça mais sobre o mundo online das crianças e jovens

Segundo o Eurostat, a maioria das crianças e jovens em Portugal são utilizadores da internet, e este comportamento poderá despertar um sentimento de ambivalência. Por um lado, as novas tecnologias e a internet são um valioso recurso no contexto educativo. Por outro, abre um caminho facilitado para os comportamentos de risco, acesso aos conteúdos indesejáveis, contacto com desconhecidos, ciberbullying, entre outros. Podendo deixar os pais e educadores desconfortáveis ou pouco confiantes.

O puzzle na Terapia Ocupacional

Posto isto, é importante ter atenção ao ambiente online das crianças e jovens: desde onde e quando acedem à internet, até ao que fazem com ela e para que fins. Por vezes, o facto de os jovens perceberem mais sobre a internet do que os seus pais e professores, poderá deixar-nos desorientados, especialmente quando surgem questões relacionadas com a segurança online.

Assim, o papel dos pais e educadores torna-se essencial. Conhecer as atividades dos jovens e crianças na internet, para identificar as atividades associadas aos comportamentos de risco é uma das soluções que se pode adotar.

A mediação parental não consiste necessariamente em controlar o comportamento dos seus filhos, mas sim em conhecer as suas atividades. Evitando desta forma os comportamentos de risco como o bullying online, troca de mensagens indesejáveis, envio de imagens ou informação privada.

As dependências psicológicas estão relacionadas com aspetos cognitivos e emocionais que moldam o nosso desejo em relação a algo, e sem o qual passamos a ter sintomas de abstinência como, depressão, ansiedade, insónia e irritabilidade. Em tais situações, o uso da internet poderá ser uma fuga psicológica dos problemas do mundo real, no entanto, é importante perceber se o seu uso não é excessivo e ter atenção aos seguintes comportamentos:

  • Ficar sem dormir ou sem comer para estar online;
  • Sentir-se incomodado por não estar online;
  • Passar menos tempo com amigos, familiares, ou a fazer trabalhos de casa;
  • Tentar e não conseguir passar menos tempo na internet;
  • Ou qualquer comportamento online que afaste a criança ou o jovem do offline, prejudicando o seu dia-a-dia. 

Dicas para pais e educadores:

Tal como referido anteriormente, a medição parental é algo necessário, porém não é aconselhável que seja controlador. Aqui vão algumas dicas:

Incentivar o envolvimento familiar

O isolamento no quarto ou a independência que o quarto permite, poderá criar um ambiente favorável ao aumento de situações desagradáveis, porém não significa que seja necessariamente problemático.

Como tal, incentivar o envolvimento familiar quando se usa a internet é uma forma de conectar e conhecer as atividades junto dos seus filhos. Atualmente, é comum que haja computadores portáteis e ligação à internet por toda a casa. As crianças e os jovens não têm necessariamente de estar no seu quarto para navegar na internet.

Juntar a família na sala para trabalhar, ou em momento de lazer, com os seus dispositivos tecnológicos, desenvolvendo o envolvimento familiar.

competências desenvolvidas ao contruir um puzzle

Para evitar a perceção de controlo parental e incentivar o envolvimento familiar é necessário ter atenção à abordagem dos pais com as crianças e jovens, como por exemplo:

1. Envolver-se no conteúdo

  • Partilhar um site ou aplicação com o seu filho e ele consigo. Partilhar um vídeo, música, texto, imagem ou jogo.
  • Partilhar atividades online.
  • Pedir ajuda para fazer algo no computador, no telemóvel ou mesmo numa consola.

2. Informar e prevenir

  • Conversar com as crianças e jovens sobre os perigos da internet e prestar atenção ao seu comportamento.
  • Informar sobre os comportamentos online como: não aceitar convites de desconhecidos, não enviar dados pessoais.
  • Ter cuidado com as fotografias publicadas e o tipo de publicações que faz.
  • Informar e explorar a possibilidade de controlar a privacidade das suas publicações, do seu perfil em redes sociais, plataformas de comunicação ou sites de

Conheça melhor o mundo online das crianças e jovens

Dois conceitos que são mais conhecidos e utilizados pelos jovens para divulgação de conteúdo: 

  1. Redes sociais

Por redes sociais entendemos as aplicações e plataformas de comunicação que nos permitem o envio e receção de conteúdo multimédia instantâneo, sendo estas mensagens de texto, de voz ou imagens. Sendo que os mais populares são: Facebook, Instagram, WhatsApp, Snapchat, Reddit, Twitter e Tiktok.

  1. Streaming

As plataformas de streaming são aquelas que permitem a visualização de conteúdo em vídeo, como filmes ou videojogos, podendo ser transmitido em direto ou não, possibilitando a comunicação por texto ou voz.

Entre as quais, as mais conhecidas são: Netflix, HBO, YouTube, Twitch e Discord.

 

Cyberbullying

A importância do conhecimento destes conceitos por parte dos pais, torna os mesmos mais conscientes das ferramentas online existentes e os seus perigos. Ambos permitem a partilha de mensagens escritas, de voz ou imagem, que num mundo online sem limites, qualquer informação facilmente se torna viral, de forma positiva ou negativa.

O envio de mensagens maldosas ou de conteúdo de agressão, dirigidas a vítimas ou a terceiros, poderá também acontecer dentro da rede de contactos das suas crianças e jovens. Entrando desta forma, num quadro de bullying online.

Em que, comportamentos como exclusão de atividades de grupo online, (em videojogos ou as respetivas plataformas de comunicação) poderá ocorrer em plataformas como Twitch ou Discord.

Ou o fazer-se passar por outra pessoa, (através do envio de mensagens de texto e imagens), recorrente nas redes sociais ou qualquer tipo de perseguição e humilhação online.

Em certas situações é necessário intervir com algum tipo de ajuda, mas nem sempre as crianças e os jovens se sentem confortáveis para encarar a situação ou partilhá-la com os seus familiares.

Para tal, existem linhas de apoio disponíveis para suporte emocional para todas as idades:

APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima – 116 006 (chamada gratuita) | Dias úteis das 9 às 19h

Linha Jovem – 800 208 020 | Das 9 às 18 horas

SOS Estudante – 96 955 45 45 ou 808 200 204 (chamada local) | Apoio emocional e prevenção do suicídio | Das 20h à 1h

S.O.S. Adolescente – 800 202 484

Linha SOS Palavra Amiga – 232 42 42 82 | Das 21 à 01h

Para os pais em caso de dúvidas, partilhas ou orientação:

Associação No Bully Portugal (https://www.nobully.pt)

 

Dr. Afonso Martins – Psicólogo Clínico

Kateryna Vasylenko – Especialista em Marketing Digital

 

Referências bibliográficas

  1. Dependência da internet, definição e tratamentos : revisão sistemática da literatura [master’s thesis on the Internet] Porto Alegre; [cited 2012]. Available from: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/40120/000826609.pdf?sequence=1&isAllowed=y

  2. Internet as a tool for professional identity development [article]. Psicol. estud. vol.8 no.2 Maringá July/Dec. 2003. Available from: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722003000200015&script=sci_arttext&tlng=pt
  3. Adolescência, internet e tempo: desafios para a Educação. Educ. rev.  no.64 Curitiba Apr./June 2017 Available from: https://doi.org/10.1590/0104-4060.47048 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *